Total de visualizações de página

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

APAGÃO

Amigos, não precisam se escandalizar nem menosprezar o sistema de distribuição de energia do seu país – o maior da América Latina e um dos melhores e mais seguros do mundo - como faz a TV Globo e vai tentar se aproveitar a oposição sem discurso.
Não! Não foi um apagão por incompetência e falta de investimento como ocorreu no governo FHC, em 1999, acarretando o racionamento de energia em 2001 e 2002.
Apagão acidental como o de ontem ocorre nas melhores famílias.
Leiam a seguir o que ocorreu nos Estados Unidos e Canadá, em 14 de agosto de 2003 – uma quinta-feira - exatamente a partir das 16 horas e 10 minutos, atingindo 55 milhões de pessoas, até o sábado seguinte.
Se preferirem leiam aqui no original escrito três dias após o início do apagão.

“A energia começou a ser restabelecida em algumas áreas do Canadá e dos Estados Unidos cerca de quatro horas depois do apagão, registrado às 16h10m de quinta-feira, hora de Nova Iorque.

Mas, se é verdade que vários milhões de pessoas já voltaram a usufruir desse bem tão precioso como é a energia, também é verdade que outros tantos milhões aguardam ainda por uma luz.

Ao todo foram 50 milhões de pessoas afetadas pelo blackout, distribuídas por Nova Iorque, Cleveland, Ohio, Detroit, Michigan, Erie, Pensilvânia, Toronto, Otava e Ontário.

Nove segundos foi quanto bastou para que todas estas áreas ficassem às escuras. Os responsáveis energéticos acreditam que, no máximo até domingo 17/8, todas as zonas atingidas pelo maior apagão da história dos Estados Unidos estarão sem quaisquer problemas. Para isso, os responsáveis pelos vários estados afetados pedem às pessoas para reduzirem ao máximo o consumo de energia, à medida que ela vai voltando, para que não haja uma sobrecarga - o que pode ser prejudicial e atrasar o arranjo da avaria.

A causa específica da avaria está ainda por apurar, mas uma das explicações avançadas prende-se a uma sobrecarga da estação de produção de energia alimentada pelas Cataratas do Niagara que, por sua vez, provocou avarias em efeito dominó.

Afastada, desde logo, a hipótese de ato terrorista, os peritos canadenses e norte-americanos procuram agora perceber o que levou a tamanha falha no sistema de distribuição de energia e, mais importante ainda, as razões para um apagão tão rápido e numa área tão vasta.

Muitos semáforos ainda não estão ligados, grande parte dos serviços e lojas estão encerrados, as escolas estão fechadas e os exames foram adiados. O metrô ainda não voltou a funcionar e há registro de uma morte por ataque cardíaco durante a noite de quinta para sexta-feira.

Muitas pessoas tiveram de pernoitar nas ruas por não terem meio de regressar a casa e foram acionados os planos de emergência necessários para evitar situações de perigo, com a polícia, nomeadamente, a realizar várias ações de vigilância e a ordenar o tráfego nas principais artérias das cidades.

Os serviços de emergência receberam mais de 80 mil pedidos de ajuda e foram já feitas pelo menos dez detenções de indivíduos que aproveitaram o apagão para roubar casas ou estabelecimentos, de acordo com a televisão norte-americana Fox News. Os aeroportos cujos voos tinham sido suspensos (JFK, La Guardia, Newark, o de Cleveland e Detroit, nos EUA, e os de Otava e Toronto, no Canadá) regressaram à normalidade.

Devido aos transtornos do apagão, e para evitar incidentes, o presidente da Câmara de Nova Iorque, Michael Bloomberg pediu aos trabalhadores de serviços não-essenciais para ficarem em casa.

O Presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, agradeceu a calma e organização com que os cidadãos norte-americanos enfrentaram
o apagão desde as primeiras horas e sublinhou que a avaria nada teve a ver com terrorismo.

"Uma coisa eu vos posso garantir: é que isto não foi um ato terrorista. Temos relatórios da queda de um raio nas Cataratas do Niagara. As autoridades estão a verificar se tal é verdade. Vamos descobrir, aqui, o que causou este apagão. O que precisamos fazer agora é resolver o problema e voltar a ter eletricidade o mais rápido possível", declarou George W. Bush.

O último grande apagão nos Estados Unidos tinha acontecido há sete anos, quando cerca de quatro milhões de pessoas de nove estados norte-americanos, e também algumas partes do México, ficaram sem energia durante mais de dez horas.”

O texto não é meu, é de um site de Portugal. Mas, diversos outros sites comentaram esse apagão ocorrido nos Estados Unidos. Tudo que ocorreu lá, ocorreu aqui. A grande diferença para o nosso apagão foi a capacidade dos técnicos brasileiros para resolver o problema em pouco mais de cinco horas.

6 comentários:

Fábio disse...

Menos, pai, menos... Assim fica feio. O próprio presidente de Itaipu, Jorge Samek, declarou hoje que o retorno da energia tão rapidamente foi uma agradável surpresa, pois eles esperavam que o problema perdurasse mais. No entanto, ainda sem saber porque, conseguiram reiniciar a distribuição de energia, sem entender direito como. Palavras dele. Assim, pega mal...
E há muita informação oculta ainda. A folha de são paulo publicou matéria no domingo sobre o ataque de hackers poder causar apagões no Brasil. A rede CBS americana também produziu documentário sobre o tema, afirmando que o apagão de 2005 no Brasil teria sido causado por hackers, como forma de extorsão. Segundo eles são dados da CIA, o que o governo brasileiro desmente.
Lula fez questão de esclarecer que o apagão não foi causado por falta de energia, mas por falha na distribuição, sabidamente tentando descolar seu apagão do de FHC. Ora, apagão é apagão do mesmo jeito. Seja na produção ou na distribuição de energia, houve falhas e provavelmente falta de investimento também.

Anônimo disse...

Hoje, o Globo online publicou boa matéria a respeito:
http://oglobo.globo.com/economia/mat/2009/11/11/fontes-da-cia-afirmam-que-ataques-de-hackers-ja-provocaram-ao-menos-dois-apagoes-no-brasil-914703913.asp

leila castro disse...

Fábio, você o conhece melhor do que nós.... Lacerda, olha a tinta! Está colorindo muito seu amor ao governo federal e a repulsa a TV Globo.
Como disse o Fábio, menos, menos...

LACERDA disse...

Eu somente quis provar que isso acontece nas melhores famílias e não é motivo para a mídia se aproveitar do fato e manipular a opinião pública.
Consegui. Concordam?
Quanto à Globo, já provei aqui, diversas vezes, que ela é terrorista. E o meu amor, Leila, não é ao governo federal, mas sim ao operário que conquistou o Brasil e o mundo.

Paulo José disse...

A mídia faz questão de manipular a opinião pública confundindo o cu com as calças. Apagão foi de 1999 por queda na produção de energia. Agora, foi apenas um blackout causado por um acidente do qual ninguém está livre.

Anônimo disse...

Esta é a definição do Aurélio? Ah, tá...