Total de visualizações de página

domingo, 20 de julho de 2014

SALADA PARTIDÁRIA

Pensam que sou petista. Devia ser, mas não sou. Sou Lula. O único partido ao qual me filiei foi o PDT, em 1982, na cidade do Rio de Janeiro. Mudei para Mangaratiba e de zona eleitoral, perdi a filiação e nunca mais me filiei.
E como não sou filiado a nenhum partido, não sou obrigado a votar conforme o compromisso da filiação e orientação partidária. Tenho a absoluta liberdade para fazer uma salada partidária na próxima eleição. Não é bem uma suruba eleitoral como aquela do PSB como afirmou Alfredo Sirkis, deputado federal/PSB, em seu blog na postagem intitulada Nitidez é preciso.
Não voto em partidos, voto nos candidatos que julgo merecer o meu voto. E prefiro votar nas mulheres. Sou um feminista político convicto. Ao contrário das mulheres que preferem votar nos homens. Eu pergunto a elas: qual a mulher eleita que você já viu, pelo menos, envolvida em corrupção política?
Somente voto em homens se não existe uma mulher candidata para o mesmo cargo. Então vamos lá. Para deputada estadual, voto novamente em Cidinha Campos/PDT (1212) que teve apenas dois votos em Mangaratiba em 2010: o meu e o da minha mulher.
Para deputada federal, voto novamente em Jandira Fegali/PCdoB (6565), uma guerreira.
Para senador, voto em Cesar Maia/DEM. Foi um bom prefeito do Rio. Tão bom que elegeu o sucessor - uma invenção sua, o Conde - e, depois, voltou a se eleger prefeito. Ficou oito anos e, agora, temos um prefeito que é sua cria.
Mas, ele já foi condenado pelo TJ-RJ por improbidade administrativa, dirão alguns. Sim, sabem por quê? Por ter financiado com dinheiro público a construção da Igreja de São Jorge, em Santa Cruz, quando ainda era prefeito, em 2005. Só isso, e daí...
Por três votos a zero, o TJ-MG decidiu que Aécio Neves é réu em ação civil por improbidade administrativa movida pelo Ministério Público Estadual pelo desvio de R$ 4,3 bilhões da área da saúde em Minas Gerais e pelo não cumprimento do piso constitucional do financiamento do sistema público de saúde em 2003 a 2008, período em que ele foi governador do estado.
Já Eduardo Campos foi condenado em julgamento administrativo por uma fraude financeira de 97 que atingiu a quantia de 480 milhões. Esta grana, após transitar por várias contas, foram parar em contas de doleiros ou de não residentes no país, seguindo destino ignorado. Esteve ainda envolvido no chamado Escândalo dos Precatórios e na negociação de títulos públicos de Pernambuco que levou seu avô, Miguel Arraes, a perder a reeleição em 1998. Leia AQUI.
Diante disto, absolvo Cesar Maia que cometeu um delito menor e é o único que leva jeito de senador. Não basta ser senador, tem que parecer que é senador. E não pode desfilar pela madrugada com uma musa transexual. Ronaldo foi crucificado pela imprensa pelo mesmo motivo.
Para governador, voto no Pezão/PMDB. Foi um bom prefeito de Piraí por oito anos e soube se comportar como vice-governador, também, por oito anos. 
Garotinho nem pensar, se ainda fosse a Rosinha... 
Crivella tem um esqueleto no armário: Edir Macedo... 
Lindbergh quer jogar no lixo metade do mandato que lhe confiei com o meu voto, entregando quatro anos a seu suplente Olney Botelho, de quem nunca ouvi falar. Resta o Pezão.
E para presidente, finalmente, eu voto no PT. Voto na Dilma por suas políticas sociais em favor dos mais carentes. E, também, porque quero que o Brasil siga em frente, não quero que volte atrás.
Vejam só a salada partidária que vou fazer: PDT, PCdoB, DEM, PMDB e PT. 
E ainda dizem que sou petista. Devia ser, mas não existe PT em Mangaratiba.
E tem mais: se pudesse votar separadamente para vice-presidente, votaria na Osmarina, uma mulher sem partido.
Vejam só a foto que encontrei na qual ela está tão bonitinha.

18 comentários:

Eduardo,o imbecil disse...

Em suma:VOCÊ é UM GRANDECÌSSIMO BABACA!!!!!!!!

Eduardo,o imbecil disse...

Ah,esqueci.E MAGOADO!!!!,e não analfabeto funcional.Isso nunca!

Eduardo,o imbecil disse...

DUNGA!!!!Dá prá melhorar???

Eduardo,o imbecil disse...

O senhor não aprendeu nada com os alemães?

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Boa noite, Lacerda!

Não me pareceu uma combinação coerente sendo que o seu candidato a governador é para mim decepcionante. Entre ele e o Garotinho, num segundo turno, eu votaria neste apenas para que a turma do PMDB não permaneça por tanto tempo no Palácio da Guanabara. E apesar de haver uma quebra de continuidade na política de segurança do Rio, quanto à linha de trabalho nas UPPs, eis que a ocupação das comunidades carentes está começando a dar errado com o próprio PMDB.

Mas votar no Pezão, apesar de de considerá-lo o pior de seus candidatos, não seria tão incoerente quanto apoiar César Maia para senador. Aceitaria se dissesse que ele deveria governar novamente a cidade do Rio ou ainda que o admira por vários aspectos (eu mesmo admiro muitos adversários meus). Contudo, se vota na Dilma e ao mesmo tempo no César estará colocando no Congresso uma cobra para morder o governo.

Veja. Não estou nem atacando o César Maia, mas imagine se ele vier a se tornar o líder do DEM? Por acaso ouviremos dele as mesmas asneiras de certos deputados e senadores do seu partido, tipo esse papo de que Dilma estaria transformando o Brasil numa Venezuela? Suponho que não. Pois ele poderia até insinuar que o T estivesse de mãos dadas com Maduro e Evo Morales, mas atacaria outros pontos mais fracos do governo. Enfim, César lá faria uma diferença significativa. Seria a direita esclarecida e daria mais trabalho para o governo da sua presidenta.

Mas pergunto. Será que a ideologia de César pode interessar à esquerda? A competência dele, sim. E se ele se tornasse um pró-Dilma no DEM, mais ainda, o que acho muito difícil de ocorrer.

Todavia, eu o respeito e o admiro como político. Vez ou outra troco ideias com ele por email e uma vez já o visitei lá no seu escritório em São Conrado durante os breve meses em que passei pelo Rio após ter deixado a Região Serrana e ter chegado depois a Mangaratiba.

Mas pode ser que eu vote nele também e acho que no meu caso o voto seria mas coerente porque não possuo a mesma afinidade com o governo que tem. Aliás, estou com Eduardo Campos e Marina porque quero uma inovação na política. Não sou anti-petista e acho que houve importantes avanços na área social com Lula e Dilma, mas poucos na área ambiental. Agora, contudo, é hora de ousar mais. Inclusive na área social.

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Nas eleições para governador, estou afim de votar no candidato do PT. Se Lindbergh Farias for deixar a vaga pro Olney estará colocando em seu lugar um grande nome.

Quando morei em Nova Friburgo, conheci o Olney Botelho, trabalhei na sua campanha para prefeito daquela cidade em 2008 e lembro quando ele se elegeu deputado estadual em 2006 pelo PDT sem nunca ter sido candidato a qualquer outra coisas. Todavia, sempre foi uma liderança empresarial atuante e com inserção na política local. Também seus negócios foram muito bem sucedido de modo que a sua padaria de nome Super Pão tornou-se uma lanchonete de referência com qualidade nos produtos, limpeza, bom atendimento, organização e conforto. O ponto, Pça. Marcílio Dias, bairro Paissandu, que antes era local de prostituição dentro de Nova Friburgo, virou um lugar melhor frequentado. Na campanha para prefeito em 2008, Olney não chegou com um programa de governo pronto. Antes chamou cada um dos partidos aliados que, por sua vez, indicaram seus representantes para contribuírem com propostas através de debates e diálogo. Eu mesmo participei de duas mesas em dois dias de trabalho. Infelizmente, não foi daquela vez que ganhamos e a cidade teve medo de inovar. Com Olney curiosamente estiveram tanto o PT quanto o PSDB do qual cheguei a ser filiado.

Ora, se pensarmos bem, Olney teria mais experiência para ser senador do que o titular. É certo que quem votou no Lindbergh nem sabia quem era Olney. Só que ele não é de se jogar fora e mesmo se estivéssemos falando de um substituto fraco, não dá para se comparar uma vaga no Senado com o Palácio da Guanabara, convenhamos. Com Lindbergh lá teremos condições de fazer u governo mais progressista e mudar a administração do Rio. Sem esquecer que, caso haja um desalinhamento do PMDB com o PT, o governo regional acabaria adotando uma política mais conservadora com o Pezão e muita gente progressista acabaria exonerada.

Em seu artigo você diz que em Mangaratiba não existe PT, mas também podemos afirmar que, no estado do Rio a legenda nunca foi suficientemente expressiva e jamais será se não conquistar determinados espaços. Logo, se o PT fluminense ficar a reboque do PMDB nunca chegará a lugar nenhum. Conseguirá apoio do PMDB para a reeleição de Dilma, mas não estará mudando o Rio de baixo para cima. Mas como não sou petista...

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

EM tempo!

Respondi hoje os seus comentários lá no blogue da C.P.F.G. e também ao sujeito chauvinista que se acha um misantropo.

Como pode ver, sou eleitor do Eduardo Campos mas apoio o Bolsa Família... Também hoje comentei em meu blogue pessoal sobre o Decreto n.º 8.243/14 apoiando e ao mesmo tempo criticando...

http://doutorrodrigoluz.blogspot.com.br/2014/07/eu-apoio-o-decreto-n-824314-mas.html

Boa semana aí pra você!

Eduardo,o imbecil disse...

Rodrigão,você continua , ... diria ..., Rodrigão a bessa !!!Acabo achando vc igual ao Lacerda.Não tão.Por que não dá,mas assemelhado.Te cuida.

LACERDA disse...

Respeito suas opiniões e agradeço por me informar sobre o Olney, muito obrigado.
Entretanto, votei no Lindbergh para que ele cumprisse o mandato de oito anos e não entregar a metade a outro. O Pezão foi um grande prefeito em Piraí. Não é o pior candidato.
Concordo com sua opinião sobre o Cesar Maia. Ele representará uma boa dose de sagacidade na oposição, atualmente inexistente ou burra, mas que precisa estar viva questionando o governo com inteligência.
Cesar Maia é um político de esquerda que já esteve até exilado no Chile. Foi braço direito do Brizola quando o PDT foi fundado.
Eu o conheci pessoalmente e não o considero como a direita esclarecida.

andre quimico disse...

A parte que mais concordei foi a exaltação das mulheres,foi muito feliz nas palavras, eu também me considero um feminista.

Como bem falou o Rodrigo, não teria coragem de confiar em Cesar Maia, até porque o dia que eu voltar em alguém do DEM ou PSDB pode levar p/ terreiro pois estarei possuido.

Não consigo entender a ideia de "mudança" e "inovação" da galera que vota em Campos, se o mesmo fez parte do governo petista todos esses anos... mas respeito o voto, afinal fizeram parte de um projeto que teve muito mais acertos do que erros.

Eu também não tenho estomago para votar no PMDB, não tão cedo. Nada contra o Pezão, mas depois de sentir na pele a atual violência que tomou conta principalmente da baixada com a migração dos bandidos(UPPs), não dá!

O Rio merece um governo mais à esquerda, e o Lindberg fez um bom trabalho em Nova Iguaçu, sendo reeleito cm maioria esmagadora no 1º turno.

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Bom dia, Lacerda.

Podemos dizer que o César Maia seja hoje um político situado na direita, sendo um dos principais cabeças do DEM, o qual, por sua vez, é uma continuação do PFL, do PDS, da ARENA e da velha UDN. É um partido herdeiro de políticos direitistas que, na certa, ele deve ter um dia combatido como Magalhães Pinto, o ACM e Carlos Lacerda. Logo, não tenho dúvidas de que CM mudou de lado e nem ele mesmo deve se considerar mais "esquerda". Se bem que os conceitos de "direita" e de "esquerda" mudam conforme o contexto no qual nos inserimos...

Mas a questão nem seria o fato do César Maia ser de direita ou de esquerda, mas sim por ele estar na oposição ao governo que defende. Veja. Se eu fosse votar nele, não haveria incoerência, mas o que me parece contraditório é um eleitor esclarecido apoiar Dilma e César Maia ao mesmo tempo, bem como apoiar Pezão e César Maia já que este rá se opor aos futuros presidente e governador nos quais pretende votar.

Mas respeito sua opinião, apesar de não entendê-la. Podemos até concordar que CM é o candidato com melhor condição de ser hoje um senador da República pela sua experiência e conhecimento, o que não significa que o mesmo será adequado às pretensões políticas de cada um de nós (falo de pretensão quanto a querer influenciar os rumos do país).

Em relação ao Pezão, acho o PMDB um lixo. Não dá mais para fazer política com essa turma atrasada do Cabral! O Rio precisa avançar e aí considero o Lindbergh a melhor opção. Não acho que o governo dele em N. Iguaçu tenha sido algo surpreendente e maravilhoso. Pra mim foi uma gestão comum, mas devo admitir que não vivi lá para ter condições de avaliar. E, se ele tivesse sido um mau prefeito, certamente não ganharia em 2010 para senador.

Considero que a política de segurança do PMDB apenas empurrou a poeira para debaixo do tapete e não tratou do estado como um todo. Quiseram maquiar partes da capital e valorizar determinadas áreas, mas se esqueceram de nós que vivemos no interior. Logo, se der segundo turno entre ele e o Garotinho, vou acabar votando neste cidadão com muita contrariedade sendo que inovar será melhor do que permitirmos um grupo corporativista permanecer por tanto tempo no Palácio da Guanabara. Aí que volte o Molequinho.

De qualquer modo, ainda não há um grande distanciamento entre os candidatos e vejo viabilidade no nome do Lindbergh. Ele pode crescer e, se não fosse o fundamentalismo religioso e nem a máquina estatal, já haveria uma polarização entre Garotinho e Lindbergh. Ou anda o CM não teria desistido do Palácio da Guanabara.

Neste momento, penso que as pessoas rogressistas não deveriam abandonar o barco da campanha do Lindbergh. Quem apoia Campos para presidente, como é meu caso, não tem outra opção representativa que seja melhor o momento. Quem é Dilma, mais ainda. E até mesmo entre os tucanos que estão com Aécio, não teriam motivos para estar dando apoio a um peemedebista de posições toscas, nem a Crivella e menos ainda ao populismo de Garotinho. Lindbergh tem uma afinidade mais ideológica com as ideias do bem estar social e as políticas públicas que precisam ser elaboradas.

Pensa bem, Lacerda! Pezão não dá mais!

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Em tempo!

Assim como o André, concordo com a exaltação das mulheres na política. Está na hora delas se fazerem mais presentes como gestoras do bem comum! Por terem uma característica mais de cuidadoras e com maior sensibilidade no ouvir, elas se enquadram melhor no perfil que necessitamos na administração estatal onde os valores masculinos ainda dão as cartas. Hoje em dia deve-se buscar construir uma relação dialogal no meio político, quer seja nas esferas e nas funções do Estado como também nos partidos políticos, nas empresas, ONGs, etc. É aí que o feminino entra dando a sua decisiva contribuição.

Viva as mulheres!

LACERDA disse...

André Químico,
É com grande satisfação que te vejo aqui de volta. Espero que seja para ficar. Tenho muito a aprender contigo.
É com o coração apertado que voto no DEM para senador. Mas, Cesar Maia não é DEM. Ele foi de uma salada partidária - PCB, PDT, PMDB, PTB, PFL/DEM - como será o meu voto. É uma inteligência que a oposição está por merecer. A Dilma merece uma oposição menos burra.
Não culpo o Pezão pelas mazelas cariocas nem pelo PMDB também me embrulhar o estômago.
Veja você, nós homens somos feministas e estou sendo criticado apenas pelos votos que darei a dois homens.
Quando é que as mulheres vão entender que as mulheres merecem o voto delas?

LACERDA disse...

Rodrigo,
Vejo, pelo seu último comentário, que você é também um feminista político como eu e o André. Pena que elas não sejam.
Discordo quando você vai tão fundo pra falar do Cesar Mais (UDN, Arena, PDS). Nesse tempo ele era do PCB e PDT. Depois que se indispôs com Brizola, apenas se utilizou de outros partidos para se eleger.
Você até lamenta que o Cesar Maia tenh desistido do Palácio Guanabara. Também lamento. Seria o melhor candidato. Mesmo no DEM. Cesar é independente de partidos.

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Sei não, Lacerda. Acho que CM virou PFL/DEM "de coração" desde os anos 90. Ele até chegou a se filiar no PTB para disputar com Conde em 2000, mas depois voltou a ser novamente um pefelista. Derrubando sua cria que havia se aliado a Garotinho, CM permaneceu no PFL até este partido virar Democratas de onde não saiu até hoje e acho que talvez nunca mais. Ainda assim, hoje ele se mostra um admirador de Brizola e obviamente não vai deixar de ganhar apoio entre alguns ex-companheiros do PDT. Mas de fato ele se mostra bem preparado para ocupar o cargo de senador e hoje eu o veria como um aliado circunstancial para quem busca mudar o Rio e sua medíocre política (tanto a cidade quanto o estado). Só não pense que ele passará para o lado do PT e da Dilma assim tão facilmente. No Congresso será uma voz bem firme da oposição como tem sido seu filho, o Rodrigo Maia, como deputado federal há vários mandatos.

andre quimico disse...

Grande Lacerda!!!

Perdoe os meus sumiços :)

É que sou bem mais ativo no Facebook do que nos Blogs, vc faz uma falta danada por lá !

Lá (no Feicibuque) tenho que administrar 3 grupos, com os “amigos” reais, virtuais e Fakes. Além dos bandidos, políticos, spam, vírus, tarados, tapados, manipulados, coxinhas, vizinhas, crentes, carentes, parentes, dementes... nossa aquilo sim é uma SALADA! rs Acho q vc tá certo em manter distância...

Além disso, eu trabalho viajando, o que dificulta também em algumas semanas... fora minhas amnésias alcoólicas em minhas folgas... Mas sempre q lembro eu venho aqui, e nunca me arrependo. Nem sempre comento, principalmente quando leio pelo celular, mas estou sempre por aqui.

Grande abraço!

LACERDA disse...

Em três edições da Marcha para Jesus, a Prefeitura doou mais de R$ 5 milhões para a organização do evento.
Como se Jesus precisasse de marchas... O convênio mais recente foi em maio passado, no valor de R$ 2,4 milhões. MP está processando Eduardo Paes por isso.
César Maia doou apenas R$ 150 mil para a reforma de uma igreja católica em Santa Cruz.

Anônimo disse...

"Mas o normal é que o senador cumpra um mandato suprapartidário.
Para isso, ele deve fazer uma oposição técnica, dar argumentos sólidos para questionar medidas do Executivo, e não se envolver com o enfraquecimento do Executivo, gerar desgaste. Isso não cabe a um senador. Onde quer que eu vá, digo que conheço a Dilma há muitos anos. Ela é uma mulher correta, honesta, nenhum de nós é melhor que ela. Ela está mostrando que é uma excelente gestora para momentos de bonança. Em momentos de crise, mostrou-se incapaz de gerir."
Cesar Maia