Total de visualizações de página

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

TOC

Transtorno obsessivo-compulsivo. Eu tenho isso. Eu e três a quatro milhões de brasileiros. O TOC é hoje considerado uma doença mental grave e crônica que pode comprometer a vida dos portadores. Em cerca de 10% dos casos, tende a um agravamento progressivo, podendo incapacitá-los para o trabalho e acarretar sérias limitações à convivência com a família e com as outras pessoas, além de submetê-los a um grande e permanente sofrimento.
Talvez, eu tenha apenas manias que nunca me incapacitaram para o trabalho nem para a convivência com outras pessoas.
Entre as manias que eu tenho, uma é gostar de escrever. De escrever corretamente. Sofro quando não consigo transmitir para o teclado aquilo que sinto ou quando cometo um erro que me dói como uma fratura exposta à vista de todos.
Fico aflito quando vejo um quadro que não está perfeitamente colocado na horizontal numa parede. Mesmo na casa dos outros eu tenho que nivelá-lo, apesar dos olhares críticos dos donos da casa. Não suporto ver meu chinelo, nem o dos outros, virado ao contrário de sola para cima. Nunca deixo nada fora do lugar e se mexem nas minhas coisas, trocando de lugar, eu viro bicho.
Faço questão de simetrizar tudo. Para fazer uma postagem no blog, eu fico atormentado com a harmonia resultante de certas combinações de palavras e proporções regulares dos períodos. Tento até metrificar o texto como um discípulo de Jorge Amado.
Nem sei quantas vezes ao dia eu lavo as mãos. Vivo ajeitando os óculos no rosto mesmo quando estou sem eles. Nunca deixo de dobrar o maço de cigarros vazio até não mais poder fazê-lo. Sempre me pego cantando “lata d´água na cabeça, lá vai Maria, lá vai Maria...”.
Nunca paro de pensar. Geralmente, besteira. Bocejo o dia inteiro e sonho toda noite. Pior é quando sonho que estou trabalhando. Acordo cansado e nada faço nesse dia.
Estou sempre balançando a perna ou os pés. Gosto de falar errado, de andar mancando e batucar na mesa com os dedos. Raramente falo sério e faço piada com tudo. Sou capaz de perder um amigo, mas não perco a piada.

São tantas manias que nem lembro de todas. Mas, dentre aquelas citadas por Flávio Cavalcanti na composição interpretada por Dolores Duran, a única que eu tenho é gostar de você.
Você que me lê e comenta no blog.

4 comentários:

leila castro disse...

Então me sinto sua mania constante.

Anônimo disse...

A proposito como se chama a Mania de ver os outros fazerem uma coisa e querer fazer melhor,ou trocar coisas na sua casa e querer fazer melhor,QUE COISA FEIA.AMO VOCES BEIJOS

LACERDA disse...

À Leila, eu respondo que sim.
À anônima, eu digo que fico feliz pelos beijos. Acho que não entendi bem o comentário, mas creio que não é mania, é virtude querer fazer melhor.

Anônimo disse...

bom dia
fiquei sabendo de mais uma atuaçao bem sucedida do dpo de muriqui
no dia 21/10/11 foi preso mais um vendendo drogas em nossa comunidade
obrigado ten.vinicius