Total de visualizações de página

quinta-feira, 28 de julho de 2011

FUTEBOL DE ANTIGAMENTE

Eu agora sou Flamengo. Depois do jogo de ontem, e pelo menos enquanto o Fred for titular no ataque do Fluminense, eu sou Famengo. Afinal, o Flamengo é filho do Fluminense.
Foi sensacional, voltei a assistir uma partida de futebol. Futebol de verdade. Santos três a zero com pouco mais de vinte minutos de jogo. Três a três no primeiro tempo e Flamengo cinco a quatro no final. Houve de tudo: além dos nove gols, gols e pênalti perdidos, gol do Flamengo anulado indevidamente, poucas faltas, jogadas mirabolantes como somente o Pelé fazia, a bola rolando o tempo todo. E um placar fantástico para uma partida épica.
Neymar melhorou aquele penteado ridículo e jogou como nunca. Fez um gol que somente Pelé no auge poderia fazer. Ronaldinho voltou a ser o que foi um dia, fez três gols, um de falta como nunca vi ninguém bater daquela forma. Inteligente, sabendo que a barreira pularia, chutou rasteiro no canto.

Muricy, que não deixou o Tiago Neves voltar ao Fluminense, preferindo o Souza, viu o craque desmontar a defesa do Santos. Aquela mesma defesa que os “abalizados comentaristas” diziam que ele tinha armado com tanta eficiência.
Os “abalizados” ficaram petrificados com o que viam. Nem puderam falar de táticas e esquemas de jogo. O verdadeiro futebol calou a boca de todos.
Eu que vi jogarem Heleno de Freitas, Domingos da Guia, Zizinho, Didi, Gerson. Eu que tantas vezes me maravilhei com o Santos de Pelé, Coutinho, Zito; com o Flamengo de Zico, Adílio, Dequinha, Andrade; com o Botafogo de Garrincha, Nilton Santos; com o Vasco de Danilo, Ipojucan, Ademir; voltei a me maravilhar com uma partida de futebol.
Agora, sou Flamengo: o campeão brasileiro de 2011.

2 comentários:

leila castro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
leila castro disse...

Lacerda,

Veja como é interessante esta postagem.

Eu que não me ligo muito em futebol, adorei a partida de ontem.

Como sou Flamengo, por costume familiar, fiquei encantada com o jogo e a empolgação que os demais "membros infantis" de minha família passavam para todos.


Foi tri bom!