Total de visualizações de página

sexta-feira, 11 de junho de 2010

QUEM AINDA LÊ JORNAL?

No passado, os jornais tinham como principal utilidade embrulhar carne e peixe. Atualmente, isso é proibido. Por outro lado, o aumento da renda do trabalhador e a publicidade televisiva do papel higiênico acabaram com sua outra serventia.
Houve um tempo em que eu comprava jornal. Mas, hoje, com a internet publicando notícias frescas a todo instante, p´ra quê jornal? P´ra ler o que aconteceu ontem? E que eu já estou cansado de saber?
Comprar jornal é hábito de quem não se informatizou e não sente que está sendo manipulado pelos que ainda pensam ser donos da opinião pública. Mas, são donos apenas dos jornais e da opinião publicada.
Quem lê jornal tem acesso apenas a uma única versão da notícia, uma única opinião. Jamais encontrará a controvérsia, o contraditório, a contestação, a polêmica que encontramos na internet. A opinião do leitor de jornal só pode ser a opinião que lhe é imposta, geralmente, por jornalistas comprados pelos tubarões da imprensa.
Na internet, temos, gratuitamente, todos os jornais e revistas, inclusive os estrangeiros que são geralmente imparciais em relação ao que ocorre no país e mostram um Brasil totalmente diferente daquele que é apresentado em O Globo, por exemplo.
Além disso, temos os blogs de jornalistas e não jornalistas independentes que vão fundo na notícia e emitem a sua própria opinião, não a opinião de seus patrões. A esquerda e a direita têm a sua vez na internet e não são superficiais nem tentam dissimular o seu proselitismo político.
Informando-se através da internet, conhecendo as mais diversas idéias e conceitos na área política, social, moral, cultural, econômica, esportiva, etc, o cidadão terá, então, a possibilidade de construir a sua própria opinião.
E poderá falar por sua própria boca, pensar por sua própria cabeça, enxergar com seus próprios olhos e tomar decisões por conta própria.
Não é o que acontece com quem ainda lê jornal, seja lá qual for, e não navega na internet.

15 comentários:

leila castro disse...

Eu leio jornais!
A população que não tem acesso a internet também deveria ler jornais.
Além disto, gosto do hábito da leitura do jornal, tendo ao meu lado, um café bem quente, que só acabo bebendo quando já está morno.

Você mesmo diz que lê os jornais nas versões que são publicadas na internet, só que sem o prazer de manusear as folhas e emprestar parte do seu jornal para que alguém perto de você leia aquilo que já leu.

Você deduz que quem lê jornais, acaba sem opinião própria e discordo disto, pois qualquer leitura irá influenciar a pessoa que lê, seja concordando ou não.

A internet não me tirou o prazer de ler um bom livro por encontrar publicações neste espaço, nem me tirou a certeza de que devo apresentar a outras pessoas a biblioteca tradicional.

Você está valorizando um espaço, que sei ser importante e dinâmico, mas que não invalida a informação mais "tradicional".

E afirmar que a internet só constrói é no minimo utopia, pois você sabe que os espaços levianos ocupam o universo virtual, muito mais do que os espaços sérios.

leila castro disse...

Piadinha da Internet sobre o tema:


"Sérgio Cabral começa a enumerar as conquistas do seu Governo:
-- Na Escola X todos os aparelhos de ar condicionado estão funcionando...
Uma voz da sala:
-- Acabei de vir de lá. Estão instalados, mas não estão funcionando!
O Governador continua:
-- Na Coordenadoria Y todos os professores receberam laptop...
A mesma voz: -- Estive lá semana passada e ouvi muitos prof. se queixando q não receberam!
-- Cabral não se contem:
-- E o Sr., Caro amigo, deveria ler mais JORNAIS e parar de bater pernas por aí!"

Anônimo disse...

Lacerda eu não o conheço mas, acompanho o seu blog através de outros blogs me desculpe a indiscrição mas não dá para deixar de comentar o quanto lhe acho preconceituoso e soberbo apesar de inteligente. Não adianta tamanha inteligência se não for acompanhada de humildade,simpatia e disprovida de preconceito.

LACERDA disse...

Leila,

Eu disse que quem ainda lê apenas um jornal, seja lá qual for, E NÃO NAVEGA NA INTERNET, tem apenas a opinião que lhe é imposta pelos tubarões da imprensa. E não poderá falar por sua própria boca, pensar por sua própria cabeça, enxergar com seus próprios olhos e tomar decisões por conta própria.
Você lê JORNAIS - não apenas um jornal - e está na internet todo dia assim como eu.
Eu não deduzi nada. Você sim. Nem afirmei que a internet somente constrói.
Quanto ao livro, não entendi o que ele tem a ver com jornais ou com a internet.

LACERDA disse...

Anônimo,

Preconceito é o conceito ou a opinião formados antecipadamente, sem maior ponderação ou conhecimento dos fatos.
Você não me conhece e tem uma idéia preconcebida sobre mim.
Portanto, você também foi - não digo que é, digo que foi - preconceituoso. Mas, não fique triste, todos nós somos em alguns momentos da vida.
Você quer humildade e simpatia? Se meu blog fosse diferente, eu não mereceria a honra desse seu comentário.
Obrigado por me considerar inteligente - tamanha inteligência foi demais, heim! - mas, não sou melhor que ninguém.
Viu? Quanta simpatia e humildade?

leila castro disse...

Meu guru,

Talvez não tenha me expressado bem, como faço em algumas postagens em que você me deixa louca.

O que te digo é que um espaço virtual, não irá substituir o tradicional, sejam livros, jornais ou revistas, mesmo que a população toda tenha acesso ao mundo virtual.

E você também não soube se expressar:
"Houve um tempo em que eu comprava jornal. Mas, hoje, com a internet publicando notícias frescas a todo instante, p´ra quê jornal? P´ra ler o que aconteceu ontem? E que eu já estou cansado de saber?"

Não disse jornais e seu texto me fez raciocinar desta forma.

Erramos os dois!

Agora, quanto ao amigo anônimo que diz que você é soberbo, só complemento que para mim, és um adorável soberbo mesmo.

E além disto é duro na queda.
Anônimo, ame-o ou deixe-o!

LACERDA disse...

Leila,

Cada vez mais te admiro. Você notou que nesse texto eu utilizo o plural e o singular para definir, respectivamente, os donos dos jornais e o leitor de jornal.
Evitei falar em leitor de jornais e perguntar para que jornais porque estava criticando o leitor de jornal - apenas um jornal - como eu já fui.
Naquele tempo, eu pensava saber das coisas, mas sabia muito menos do que sei hoje que leio muitos jornais, inclusive estrangeiros, e navego pelos diversos blogs da internet.
Portanto, não erramos. Acertamos os dois.
E se te deixo, às vezes, louca, eu fico feliz pois escrevo para enlouquecer mesmo. A todos que me leem.

Fábio disse...

Anônimo, meu caro, tens razão. Meu pai dá vazão a todos os seus defeitos aqui neste blog. Como diria uma amiga minha, se entregar a um blog é como ficar pelado em plena Av. Rio Branco, se não, não vale a pena tê-lo. E ele se expõe: mostra quem é, o que pensa, onde mora, além de respeitar, publicar e dialogar com as mais diferentes opiniões. Isso na terra livre da internet, onde as pessoas se escondem no anonimato até pra fazer um simples comentário discordante. Mal sabe você que ele gosta mais das opiniões divergentes. Ele realmente não é humilde mas não é soberbo. Parece, mas não é. E preconceituoso muito menos. Suas idéias só podem ser confundidas com preconceito por um idiota, pense nisso. E, apesar dessa falta de humildade perturbadora mesmo pra mim, ele é um cara muito simples que conversa por horas a fio com qualquer um, qualquer um mesmo. Ele seria capaz de defender, por exemplo, a democracia a um ditador, ouvindo e rebatendo seus argumentos. Eu não faria isso nunca. Lá em casa, ele às vezes chegava do exterior, após ter dado uma palestra, e reunia amigos da favela para rodas de samba que duravam todo o fim de semana.
O fato é que todo ser humano tem defeitos às vezes inconfessáveis, e os esconde atrás de um moralismo falso que nem jornal, e sai apontando o dedo pros outros. Difícil é encontrar quem encare de frente e assuma seus próprios defeitos.

Lívia disse...

Ahhhh, o anônimo quer humildade e simpatia... vai no programa da Xuxa pô!

LACERDA disse...

Sou duro na queda, ninguém me segura,
Sou franco, sou fera, não tenho frescura...
Só o que me alucina - não é a Marina
Nem gripe-suína - é a pouca bravura
De quem não assina a abjeta censura.
Soberbo? Tudo bem, eu aceito e admito.
Mas, preconceito é um mito...
Contra o quê? Contra quem?

zaralho disse...

Caro amigo Lacerda,
O mundo evoluiu e o homem acompanha sua evolução, hoje basta ligar o PC e lá está na telinha o mundo o seu alcance, podemos viajar por vários lugares num piscar de olhos, saber mil coisas num toque de teclas.
Assim e o jornal, está hoje muito mais dinâmico e atual que os que líamos há alguns dias atrás, se podemos assim dizer, porém tenho que concordar com a Leila quando ela fala no glamour de folhear as paginas de um jornal impresso na mesa do café da manhã ou mesmo no domingo ainda na cama
Quanto ao fato de que o jornal impresso, colocar cabresto no leitor, não concordo muito, pois como se diz “quem lê jornal sabe mais” o leitor de um grande jornal, geralmente não se prende tão somente as manchetes ou ao editor do jornal, procura discutir com amigos, lê e ouve outras opiniões ,vem para a rede e procura a informação que necessita.
Agora temos os jornalecos, aqueles destinados a população de menor poder aquisitivo , que realmente apelam , fazem um jornalismo sensacionalista, direcionado e muitas das vezes sem o menor compromisso com a verdade, mas também e o jornal que certas classes gostam que presenteiem seus leitores com celulares, panelas e etc.
Porém a internet ,como o jornal impresso aceita tudo que aqui se coloca mentiras, fatos irreais, fotomontagens, palavras de quem não as disse, blogs e paginas capciosas que se perpetuam em enganar quem as lê.

Não se pode dizer que a imprensa de determinado país ou região é ruim ou boa.
Ela é reflexo e segmento da própria sociedade a que serve.
Alberto Dines (1932-) Jornalista Carioca (O Papel do Jornal).
Ao lado da medicina e da prostituição, o jornalismo é a carreira que melhor familiariza a criatura humana com as misérias da sua condição.
Ledo Ivo (1924-) Poeta e Romancista Alagoano (Confissões de um Poeta).
Assim como a literatura é um tipo especial de arte, o jornalismo é um tipo especial de literatura.
Tristão de Ataíde (1893-1983) Pensador Católico e Critico Literário Carioca (O Jornalismo como Gênero Literário
Zaralho/junho/10

leila castro disse...

Amo o Zaralho também!

Disse tudo que eu queria dizer, com a tranquilidade que me faltou.

Fábio disse...

Concordo também com tudo q foi escrito aqui, até com o anônimo (em parte), só que ninguém aproveitou a matéria pra discutir o tema principal. Todo mundo ignorou o que o Lacerda quis dizer enfim: que os jornais andam mentindo muito, com motivações políticas (na verdade, sempre o fizeram), só que agora a internet democratiZou a informação, principalmente aquela obtida e só então disseminada por grandes jornalistas que conseguiram se libertar de editores comprometidos com maus propósitos.
Neste site encontram-se links para blogs de grandes jornalistas - todos de esquerda, é verdade, mas esta é a posição do Lacerda - que trazem desmentidos dos grandes jornais diariamente com profundo embasamento.
Ou seja, era apenas disto que fala o texto: que todas as informações do jornal impresso também estão na internet, só que muitas escritas por jornalistas muito mais independentes.
Como exemplo, o texto cita a capa mentirosa da folha que acusa o PT e a direção da campanha de Dilma de atropelar o sigilo bancário de Eduardo jorge, ao reunir informações financeiras dele num suposto dossiê (claramente tentando evocar a transgressão ao sigilo bancário daquele caseiro pelo ministro Palocci).
Só que o texto do Lacerda vem mostrar que as tais informações sigilosas apontadas pela folha de são Paulo com sendo parte do suposto dossiê do PT já estavam disponíveis pra todo mundo na internet desde 2007, no site consultor jurídico. Enfim, uma vergonha para o jornal folha de são Paulo. Uma dentre as inúmeras vezes em que o jornal foi pego na mentira por blogueiros independentes.
Será que estava tão difícil enxergar que o texto discutia isso, sugerindo que não confiemos num único jornal?
P. S.: quem quiser acompanhar este caso do dossiê, eu sugiro o site Tijolaço, do Brizola Neto, atualizado várias vezes ao dia.

leila castro disse...

Fábio,
Você está citando a postagem posterior a esta.

Aqui, ele introduziu, entre outras alfinetadas, o assunto que você explica.

Fábio disse...

Leila, é verdade, eu misturei argumentos de dois textos. Mas ainda acho que neste texto ele fala disso, apenas o exemplo é que veio no post seguinte.
Você sempre atenta!