Total de visualizações de página

quarta-feira, 18 de abril de 2012

O OXÍMORO

Consiste na associação de dois termos contraditórios, duas imagens que na realidade se repelem, que aproximam dois sentidos totalmente incompatíveis. Uma figura de linguagem que harmoniza dois conceitos opostos numa só expressão, formando assim um terceiro conceito que dependerá da interpretação do leitor. Exemplos:
Um instante eterno
Tumulto organizado
Ilustre desconhecido
Boato fidedigno
Crescimento negativo
Grito do silêncio
É ruim, mas é bom
Divórcio amigável
Sexo seguro
Televisão educativa
Silêncio ensurdecedor
Mentira sincera
Humildade portenha
Melodia funkeira
Hércules Quasímodo (Este é do corno Euclides da Cunha descrevendo o nordestino em Os Sertões)
Inteligência militar
Espontaneidade calculada
Não posso esquecer do belo soneto que Camões escreveu pleno de oxímoros:

Amor é fogo que arde sem se ver,
É ferida que doi e não se sente...
É um contentamento descontente,
É dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer...
É solitário andar por entre a gente
É nunca contentar-se de contente...
É cuidar que se ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade,
É servir a quem vence: o vencerdor,
É ter com quem nos mata, lealdade...
Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade
Se tão contrário a si é o mesmo amor?

Agora, o melhor de todos os oxímoros: PASSEATA CONTRA A CORRUPÇÃO.

4 comentários:

leila castro disse...

Lacerda,

Você é um cara muito instigante....

Sabe que te admiro muito.

Beijos!

LACERDA disse...

Um blog é para instigar e, sempre que puder, oferecer um pouco de cultura e informação.
Então concorda comigo?
Eu te adoro. Precisamos nos ver de novo.

LACERDA disse...

Até a passeata contra a violência realizada em Niterói com cerca de apenas mil pessoas ganhou espaço na imprensa.
O passeio em Copacabana deve ter sido um fracasso. Não mereceu TV nem pautou os jornais.
Nem um centímetro de coluna nos jornais de hoje. Acho que não havia gente honesta para participar.

leila castro disse...

rsrsrsrs!