Total de visualizações de página

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

BALAIO DO KOTSCHO

Sem ser diplomado, Ricardo Kotscho é um dos melhores jornalistas brasileiros. Quem sabe, o melhor. Foi Secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República no primeiro mandato de Lula. Ganhou os prêmios Esso, Herzog e outros, além de ser contemplado com o Troféu Especial de Imprensa da ONU. Trabalhou em quase todos os principais veículos da imprensa.
Lulista como eu, atualmente, ele assina o blog Balaio do Kotscho clique que leio diariamente.
Hoje, dia 4, ele escreveu o seguinte texto em seu blog:

Batemos muito nos políticos brasileiros de todas as latitudes, todos os dias, em todos os espaços da velha e da nova mídia, como se eles não fossem nossos representantes nas diferentes esferas de poder,
livremente escolhidos por cada um de nós.
Por mil razões, este virou o esporte nacional predileto. É como se eles fossem extra-terrestres, e tivessem surgido do nada, apenas para nos infernizar a vida.
Não, meus caros amigos do Balaio, não tirei meu dia hoje nesta sexta-feira chuvosa em São Paulo para defender os políticos. Mas acho que está na hora de falarmos um pouco também das nossas próprias responsabilidades como cidadãos e do conjunto da sociedade na crise de caráter vivida pelo país.
O que me chamou a atenção desta vez foi o inacreditável episódio registrado em Fortaleza, na quinta-feira, quando um turista italiano, de 40 anos, casado com uma brasileira, foi preso por beijar na boca a própria filha de oito anos num local público.
Este caso resume tudo o que nós temos de pior: falta de cultura, hipocrisia, autoritarismo, delações levianas, mania de se meter na vida dos outros sem ser chamado.
Se, ao contrário, ele estivesse batendo na menina, certamente ninguém repararia nem se pensaria em chamar a polícia. Seria visto como coisa normal: a cada dia, são registrados 92 casos no Brasil de violência infantil, segundo a Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente do governo federal. No ano passado, foram 32.588 casos.
Ao contrário do que costuma acontecer, desta vez a polícia foi rápida e eficiente. Agentes do 2º Distrito Policial de Fortaleza atenderam prontamente ao chamado do casal de Brasília e foram até a praia do Futuro para prender em flagrante o indigitado italiano, perigoso meliante que até o final do dia permanecia preso numa cela isolada.
Indiciado por “estupro de vulnerável”, pode pegar até 15 anos de cadeia, segundo as leis brasileiras. Por ter beijado a filha na boca!
Não, definitivamente não são apenas os políticos brasileiros e suas lambanças que nos fazem passar vergonha lá fora.
Cada leitor do Balaio certamente terá outras histórias para contar de fatos que nos envergonham, praticados por cidadãos comuns que passam o tempo todo xingando os políticos.

Ainda bem que postei o texto anterior no dia 1, terça-feira, três dias antes do Kotscho. Senão, diriam que eu estou plagiando o Balaio.

5 comentários:

ZARALHO disse...

LACERDA, ABAIXO UM TEXTO QUE NÃO SEI A AUTORIA MAS QUE BEM SE ENCAIXA NO COMENTÁRIO ACIMA.
Que dizer de um país e de um povo quando:
Estaciona em vagas destinadas à deficientes e idosos, sem ser uma coisa nem outra?
Suborna o guarda quando é pego praticando irregularidades?
Faz "gato" para pagar menos energia e água?
Come dentro dos supermercados e abandona as embalagens vazias para não pagar?
Usa de influência para tirar vantagens pessoais, tipo emprego para os parentes?
Ultrapassa pela direita, pelo acostamento, para chegar primeiro?
Invade a faixa de pedestres?
Não sabe o limite entre o ético e o seu contrário?
É capaz de assassinar a reputação alheia para sair bem na foto com os superiores?
10. Furar fila de consultórorio médico/dentista, por ser amigo do médico;
11. Conseguir emprego no serviço público, com auxílio dos políticos;
13. Jogar lixo fora dos lixeiros públicos;
14. Entrar no elevador social com animais, por sinal sem a devida proteção(sem coleira,etc);
15. Falar alto em lugares que pedem silêncio.
16. Bater em seu carro estacionado(e sem vc dentro), e sair sem identificar a autoria do acontecido(aqui na petrobras é muito comum isto)
17. Roçar nas mulheres em ônibus e lugares apertados
18. Dar troco com dinheiro rasgado e inutilizado, disfarçado no meio de dinheiro novo.
19. etc etc etc
E isto tudo sem ser Senador!
Sem ser Presidente do Supremo!

A Bíblia diz em Provérbios 11:1
-> "O SENHOR Deus detesta quem usa balanças desonestas, mas gosta de quem usa pesos justos."

muririfm disse...

Casal diz que estrangeiro também 'acariciou' partes íntimas da criança.
Três funcionários da barraca foram chamados para depoimento.

Eles disseram que ficaram incomodados com a atitude do estrangeiro. "Ficamos observando aquilo e vimos que ela passava a mão nas partes íntimas da garota e a segurava como se estivesse abraçando uma pessoa adulta", disse um dos turistas. "Aquilo nos incomodou até o ponto em que nós vimos o homem beijar a menina duas vezes na boca, em intervalo de 30 minutos."

O turista brasileiro diz ainda que o pai chegou a amarrar e desamarrar o biquíni da criança. "O que ele fez não foram selinhos, aquele selinho de carinho. Ele beijou duas ou três vezes a boca da menina. Pelo menos duas vezes eu vi. Outra vez, a minha esposa viu. Outros turistas também testemunharam."

LACERDA disse...

"Marina Silva diz que governo Lula é insensível a causas sociais."
Isso foi uma manchete de O Globo que ela negou da tribuna do Senado.
Você ouviu ou leu n´O Globo o que as testemunhas falaram? Convenhamos que pedófilo prefere fazer as coisas escondido de todos.
Mas, isso não vem ao caso. Não foi pelo italiano que reproduzi o texto do Ricardo Kotscho.

Liana disse...

Se houvesse malícia, eu ficaria ao lado da minha filha. Não pensaria duas vezes para ficar do lado dela” - disse a mãe da menina à Agência Brasil - “Em nossa casa, não há nada que possa indicar abuso. É uma menina serena, alegre. Ela é muito apegada ao pai e ele também com ela. Ela é filha única. Acho que destruíram a nossa família”.
De que vale o que diz uma testemunha que pode ter se vingado por ter sido menosprezada pelo italiano.
Como disse o Lacerda, pedófilo costuna agir em segredo não à frente de todos.
A maldade pode estar nos olhos de quem vê, de quem ouve, de quem lê.

leila castro disse...

Tudo isto é fato! Somos hipócritas, somos maliciosos e relaxados, enfim, somos vítimas e algozes desta sociedade que criamos e vivemos, porém só faço um comentário quanto ao caso de Fortaleza. Discordo que devemos não nos meter na vida alheia quando falamos de crianças. Nâo estou julgando ou acusando este pai, e sim defendendo a atitude dos "delatores". O povo brasileiro é tão malicioso e sensual, que poucas vezes terá uma impressão errada da "afetividade" de pai com sua filha. A omissão por dúvidas, a mania de não nos metermos na vida alheia, é que levam milhares de crianças a serem submetidas a abusos, não só sexual, como de tantas outras maneiras, como violência doméstica, exploração de trabalho infantil e abandono.
No caso em questão, fico realmente na dúvida se houve engano, pois o que nosso povo possui de mais atraente para os europeus e os estrangeiros em geral, é nossa "afetividade" um tanto quanto escrachada e sensual.
Eles até confudem demonstrações de carinhos com facilidades sexuais e como todo povo não acostumado com isto, ultrapassam seus limites vivendo aqui ou com pessoas daqui, o que não fariam em seus países.
Sou filha de italiano com brasileira e sei que os italinos, como todo povo de origem latina, tende a ser espalhafatoso, exagerado, mas também sei que em família são extremamente conservadores principalmente com suas filhas. São amorosos e íntimos, mas não são capazes de expor suas filhas. A intimidade não tem como ser confundida, o selinho não é confundido com beijo na boca e carinhos não são confundidos com carícias.
Deixemos a justiça se manifestar e as testemunhas, que não são poucas, poderão ajudar a justiça a interpretar a lei mais abrangente que vigora, graças a Deus, a tão pouco tempo.
Também é hipocrisia de nossa parte, criticarmos ações corretas por vivermos tantas outras incorretas. Se a polícia atendeu o chamado em tempo hábil, para um caso duvidoso, é de se elogiar e cobrar que seja sempre assim em todas as situações que sejam necessárias.
Também quero lembrar que o pedófilo não age somente escondido. Aqui mesmo em Muriqui, tivemos um caso no poção de um homem que acariciava um menina de cerca de sete anos de forma bem "inocente", em público, sentado em uma mesa com a criança no colo, o que levou um casal "malicioso" e "intrometido" a acionar a guarda municipal. Quando foi abordado pela guarda para que deixasse a menina sair de seu colo, o "tio" estava em pleno "gozo" de seu "gozo".
A menina não era sobrinha, e sim uma pequena explorada local que em dias de feriados, consegue um troco nos pontos de grande movimentação de "turistas".
Ainda bem que ela teve a intromissão deste casal em sua vida.
Participar, tentar reverter este quadro de omissão que só tem afastado nosso povo da vivência plena de sua cidadania é trabalho para muitas gerações, já que achamos que o barato da vida é viver nossas vidas sem darmos importância as submissões morais e sociais de outras ao nosso redor.